Açaí no Ponto | Rede de Franquias Açaí no Ponto investe no descarte correto de resíduos
| Açaí na Mídia
2 de junho de 2016
Rede de Franquias Açaí no Ponto investe no descarte correto de resíduos

Além de colaborar com o meio ambiente, o descarte também beneficia comunidades no interior do Amazonas.



Foto: Divulgação

A Rede de Franquias amazonense Açaí no Ponto foi criada em 2011 e hoje possui mais de 52 operações em todo país. Em 2014, a empresa abriu sua própria fábrica de gelado comestível de açaí que abastece os franqueados.  Só na produção são 07 funcionários diretos que são responsáveis pelo despolpamento do fruto.

Tudo é feito com base em procedimentos da segurança alimentar. Uma das maiores preocupações do Açaí no Ponto é com o descarte correto dos resíduos na fabricação do produto utilizado pela empresa.

Por mês, a fábrica chega a produzir 20 toneladas de resíduo que é separado diretamente por meio de uma rosca infinita, levando o que seria jogado fora para um silo. A partir daí, esse material é coletado por caminhões que levam até à fábrica de cerâmica, Cerama, no município de Iranduba, localizado a 27 quilômetros de Manaus.

O resíduo do açaí sendo utilizado no forno para produção de tijolos.

O resíduo do açaí sendo utilizado no forno para produção de tijolos.

“A parceria para a coleta do resíduo existe desde o início da fábrica. E o melhor disso tudo é saber que estamos contribuindo com o meio ambiente. Ao invés de simplesmente descartar, geramos preservação ambiental”, comentou o diretor da empresa Caio Costa.

Na fábrica, os resíduos se transformam em material de combustão para queima de tijolos e cerâmicas. De acordo com o consultor da Cerama, José Alexandre Loureiro, a parceria com o Açaí no Ponto colaborou para reduzir em 50% o consumo de lenha.

“Hoje utilizamos 40% de açaí, 40% de sarrafo que são restos de madeira e 20% de lenha legalizada. Fazemos a coleta do material em Manaus, sem gerar custo ao doador do material e ainda doamos boa parte desses caroços para as comunidades replantarem”, disse Loureiro.